Category: Olhar cristão (Page 1 of 12)

O jovem e Deus

Deus é Jovem

Quais são as características que nunca devem faltar em um jovem? “Entusiasmo e alegria. E a partir disso se pode começar a falar de outra característica que não deve faltar: o senso de humor. Para poder respirar, é fundamental o senso de humor, que está ligado à capacidade de se alegrar, de se entusiasmar”.

Essa é uma das passagens conclusivas do livro-entrevista « Deus é Jovem », assinado pelo Papa Francisco. No diálogo com Thomas Leoncini, Francisco dirige-se não apenas aos jovens do mundo inteiro, dentro e fora da Igreja, como também a todos os adultos que por esta ou aquela razão são detentores de um papel educativo e de orientação no seio da família, nas paróquias e nas dioceses, na escola, no mundo do emprego, no associativismo e nas mais diversas instituições.

A esperança deve passar necessariamente pela fé em Deus? “Não necessariamente (…) Basta que exista uma pessoa boa para existir esperança (…) Os muros são colocados por terra com o diálogo e o amor. Se você está falando com alguém, fala de cima do muro. Então você falará mais alto, e aquele que está do outro lado do muro vai ouvir melhor e poderá lhe responder. Se você faz o bem, não tenha medo de gritar”.

Difícil não se encantar com as muitas passagens inspiradoras desse diálogo que revelam um pouco mais desse homem tão admirado. A simplicidade do discurso, as escolhas intelectuais, mas acima de tudo a humanização da Fé, faz de Francisco mensageiro de um cristianismo realmente universal. Sem fugir das perguntas, dos exemplos pessoais e de uma análise realista da sociedade em que vivemos, o Papa acredita que esperança no futuro está no encontro entre jovens e velhos. Na relação entre o entusiasmo original e liberdade adquirida pelas experiências vividas.

A alegria de estar insatisfeito

insatisfeitos

Há muito tempo tenho procurado reencontrar meu lugar dentro das estruturas religiosas que sempre tiveram um espaço importante na minha vida. A angústia pela falta de respostas foi criando um crescente sentimento de frustração interior. Insatisfeito era certamente a melhor palavra para exprimir como me sentia. Na verdade, acredito que sou um insatisfeito crônico –, mas quando me deparei com “Espiritualidade para insatisfeitos”, do teólogo cristão José Maria Castillo, entendi que isso não é necessariamente algo ruim.

O livro de Castillo é uma interessante reflexão sobre a espiritualidade como movimento interior e exterior. É um livro que, acima de tudo, propõe uma espiritualidade baseada na ação, pois como o autor mesmo afirma, “aquele surpreendente judeu que foi Jesus de Nazaré, antes de ser um mestre de espiritualidade, foi um mestre de vida, um mestre para a vida”.

Entres muitas coisas, o autor ressalta a importância da busca pela felicidade que não se limita a realização das necessidades individuais. Ele convida a viver a “Utopia do reino”, que nada mais é do que a crítica ao mundo e os valores de hoje e, ao mesmo tempo, o caminho para a construção de uma sociedade “onde os seres humanos, todos os seres humanos, encontram um sentido para suas vidas, paz, dignidade, felicidade e esperança”.

Com o livro, pude redescobrir que o meu papel como cristão é o de corajosamente renunciar a ser o centro e testemunhar a Utopia do reino. Isto é, viver conscientemente uma vida “disponível para dar vida, defender a vida e a dignidade da vida que temos de conviver. E, por isso, uma vida que comunica felicidade, paz, calma, alegria e esperança”.

Sim, é fundamental encontrar o próprio espaço de atuação, um ambiente propício para o crescimento interior e que também seja combustível para a ação social. Porém, o mais importante é entender que o centro da espiritualidade cristã é a vida.

« Espiritualidade para insatisfeitos » foi um presente nessa etapa cheia de mudanças pessoais. O livro, além de me libertar de muitas amarras interiores, ajudou a “calibrar a direção” para continuar seguindo o caminho que escolhi percorrer na minha jornada nesse mundo.

Deus 2.0

Há tempos não tinha a oportunidade de refletir conscientemente e “em voz alta” sobre a minha visão de Deus e a sua aplicação nas minhas crenças e práticas religiosas.

A escolha de qual Deus adorar é uma herança familiar e, independentemente de como levei ela a diante, ela deu forma aos valores fundamentais que carrego comigo até hoje.

Um momento chave da minha adesão pessoal ao Deus cristão, católico, foi a minha Crisma. Durante aquele período de “formação religiosa” dificultei muito a vida dos meus formadores, questionando dogmas e práticas, ao meu ver, ultrapassadas e deturpadas. Já ali não aceitava a visão de um Deus distante, estático, que pune pecadores, seleciona os bons e os separa dos maus, que exige práticas de louvor e que ignora as mazelas da humanidade.

A partir da minha adolescência comecei a amadurecer uma visão de um Deus «acompanhante», que está ao meu lado e não “fora”, da mesma forma que se manifesta dentro de mim. Ele é a minha inclinação para o bem, o meu bom senso e, sobretudo, o Amor que carrego.

Recentemente tenho procurado reconceituar Deus e a sua relação com a Felicidade. Talvez a paternidade tenha um papel fundamental nessa tentativa de aprofundar meus credos para vivê-los melhor e explicar para minha filha o porquê das minhas escolhas.

Acho que o “meu” Deus está muito mais na busca da Felicidade do que em qualquer outra coisa. Toda a Sua manifestação direcionada ao bem que mencionei acima não é estática, é processo, relação, que depende de “um outro” para existir e por isso é tão difícil de «agarrar» e rotular.

Deus é dimensão relacional da natureza direcionada ao bem. E a Felicidade está na busca interior, na nossa essência, dos atributos e da disposição (as vezes custosa) do encontro com o outro (não necessariamente humano), profundamente diferente de nós. É nesse encontro entre diferentes, dispostos e abertos uns aos outros, que podemos experimentar a potência construtiva de Deus e é ali que habita a tal Felicidade.

Page 1 of 12

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén