Category: Focolarizando (Page 2 of 8)

Só mais um GENFEST?

Há um pouco mais de uma semana da décima edição do GENFEST, que prevê a participação de 12.500 jovens de mais de 100 países, parece necessário refletir sobre o significado deste evento, nas nossas vidas e no contexto social em que nos encontramos.

Em um mundo que clama por novos projetos e ideais capazes de sobreviver às crises financeira e de valores éticos, participar de um Genfest é com certeza a possibilidade de encontrar respostas coletivas e de vislumbrar “de corpo e alma” a grandeza de um Ideal aderido por milhares de jovens, de diferentes culturas, que acreditam que um mundo fraterno é possível.

Porém não basta festejar o mundo unido, é preciso construí-lo com as próprias vidas.

Genocídio na Síria, epidemia de Ebola na Etiópia, chacina do narcotráfico mexicano, desemprego de 50% dos jovens na Espanha, corrupção crônica no Brasil são alguns exemplos alarmantes de um cenário social que afeta a vida de milhares de jovens de diferentes contextos.

Mas o que eu tenho a ver com isso? Muito.

Gozar de um bem estar social e espiritual pode servir de desculpa para a passividade, o comodismo. Fazer do ideal do Mundo Unido instrumemto de conforto psicologico, alimento de um romantismo utópico, não ajuda a difundir, tranformar em cultura, uma alternativa tão fundamental às questões contemporâneas.

A tal “Gen Revolution” precisa virar uma realidade cada vez mais “encarnada” na vida dos jovens presentes em Budapeste. O encanto com o evento precisa servir de combustivel para uma escolha radical, vitalícia, VOCACIONAL de viver a vida e usar os próprios talentos não só para realizar a própria felicidade, mas lutar por uma felicidade compartilhada.

O privilegio de viver essa experiência maravilhosa é grande, menor, porém, que a responsabilidade de transformá-la em algo que não se desfaça depois dos três dias de FESTA.

É importante ressaltar que na edição anterior do Genfest, no ano 2000, os jovens presentes eram 25.000, o dobro do previsto para este ano, mostrando também o quanto a adesão a um Ideal tão exigente é cada vez mais desafiadora.

Este será o primeiro Genfest sem a presença física de Chiara Lubich o que parece evidenciar um “sinal dos tempos” onde a responsabilidade em construir um mundo mais unido está fundamentalmente nas mãos daqueles que acreditam.

Se cada participante do Genfest conseguir pensar no como, pessoalmente, poderia trabalhar para fazer do Mundo Unido uma pequena realidade local, as pequenas pontes de fraternidade serão (continuarão sendo) construídas e poderão, talvez, chegarem à uma dimensão cada vez mais universal.

“Não se acontentem com migalhas, vocês têm apenas uma vida, sonhem grande. Não se acontentem com as pequenas alegrias, busquem a plenitude da alegria.” (Chiara Lubich, GENFEST, 2000)

Um encontro pessoal com Ginetta Cagliari

Uma historia para ser recontada de mil modos. É essa a impressão que se tem após ler “Ginetta fatos que ainda não contei”, lançamento da Editora Cidade Nova em comemoração aos 10 anos da morte da mulher que mudou a vida de milhares de brasileiros.

Ginetta Cagliari, italiana de personalidade forte e radicalismo assustador, pode-se dizer que foi instrumento “divino” no “expedir” às terras americanas o Ideal da Unidade, estilo de vida que hoje é aderido por pessoas de todas as regiões, idades e culturas do Brasil.

Depois de “Ginetta, uma vida pelo Ideal da Unidade” essa segunda biografia “convida” Ginetta a abrir seu diário pessoal para partilhar momentos importantes da sua infância, do «Entre guerras» e do encontro “escatológico” com Deus-Amor, testemunhado por Chiara Lubich e suas primeiras companheiras.

No girar progressivos das páginas do livro é impossível não se emocionar com a conversão de Ginetta, lapidada para que fosse sempre mais “encarnação” do Ideal descoberto.

A perseverança rumo à realização do desejo de ser amor concreto ao próximo aproxima Ginetta, guardadas as devidas proporções e estilos, de Inácio de Loyola, que curiosamente também foi peça fundamental na difusão do cristianismo por meio da Companhia de Jesus.

Desejo de conversão, de radicalidade no testemunhar o evangelho. São duas realidades que ficam após a “ler” novamente Ginetta.

Chiara Lubich pelos olhos de Armando Toro para o mundo inteiro

“Uma mensagem escandalosamente interessante”. Foi assim definida a vida de Chiara Lubich pelo escritor da primeira biografia “post mortem” da fundadora do Movimento dos Focolares, Armando Toro, em uma visita ao centro do Movimento em Grottaferratta, na região dos Castelos Romanos.

Antes do Concilio Vaticano II, que transformou a Igreja Católica, (mesmo que ainda não completamente encarnado pela igreja institucional) Chiara Lubich apresentou às suas companheiras, sob os bombardeios da Segunda Guerra Mundial, um Deus que, apesar das fatalidades e da dor tantas vezes incompreensível, é AMOR.

Porém, nem ela e nem ninguém imaginava que essa descoberta levaria milhares de pessoas em praticamente todo o mundo a conhecer esse “novo conceito” de Deus, com as suas posteriores consequências.

As origens, compreensões pessoais gradativas de Chiara Lubich e o desenvolvimento rápido dos Focolares são apresentados em “PortarTi il mondo fra le braccia” (em português, “levar-se o mundo entre os braços”) por um jornalista, editor do “Corriere della Sera”, um dos principais jornais italiano. Armando Toro não conheceu pessoalmente Chiara e se ateve aos incontáveis documentos e as entrevistas para construir sua biografia.

Momentos de maravilha e dor acompanharam a fase carismático-fundadora dos Focolares, período que se concluiu no dia 14 de março de 2008, quando a sua “mae” morreu aos 88 anos.“Chiara Lubich abraçou mais do que muitos (misticos) o vazio (de Deus), essa não presença, esse Cristo sofredor no abandono e entendia aqueles que não acreditavam, aqueles que experimentavam esse vazio constantemente”, afirmou Toro na sua visita ao centro dos Focolares.

Um livro importante para quem acredita no amor e que investe no dialogo como instrumento para a construção de um mundo melhor, seja ele no âmbito religioso, politico, cultural ou até mesmo econômico.

O livro foi recentemente publicado em português pela Editora Cidade Nova e custa R$29,00 no site, mas quem quiser adquiri-lo em língua original pode comprar online no site da editora Citta Nuova (clique aqui)

Page 2 of 8

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén