Category: Sentimento em palavras (Page 2 of 99)

Beijo

 Beijo

Esperei-te tanto para dar-Te este beijo.

Dia após dia pensando em Ti,

procurando entender em mim

os ecos interiores do Teu grito.

Passam-se os anos e ainda estou a amar-Te loucamente.

A beijar-Te entre lágrimas.

Um amor, porém, renovado, partilhado no amar o Outro.

E hoje, beijando-Te renovo esse “absolut’amor” por Ti.

Mortificado pelas minhas crucificações ,

a inesperada dor.

Com meu beijo quero dizer que Te amo.

Consciente que as lágrimas de hoje,

Serão, inevitavelmente, sorrisos pascais.

 

Sobre o beijo na cruz

BeijoPara os cristãos, a Sexta-feira Santa é o dia do beijo na cruz. Não é um beijo de adoração masoquista pela dor de um homem. Para mim, o beijo na cruz é, antes de tudo, o compadecimento pelo sacrifício do Filho de Deus, que deu a sua vida para que encontrássemos um significado eterno para a Felicidade.

Contrariamente ao que a maioria pensa, a morte de Jesus não estava predestinada. Ela é, na verdade, um “improviso artístico do Criador” que, na sua mais importante lição, nos fez entender que o mal, a dor, até mesmo a Morte, nunca poderão superar a potência transformadora do Amor.

O beijo é dado entre lágrimas, pela tristeza da nossa humanidade pecadora, mas coberto de uma esperança, fruto do Amor divino, que não olha nossas falhas, mas perdoa e nos dá SEMPRE a possibilidade de recomeçar.

Existência cíclica

existencia ciclica

Desapaixona-se para se “reapaixonar”

Esquece-se para reencontrar

Sem jamais, porém,

deixar de (se) amar

Nesse perder constante

Fundamento existencial

Muda-se, transforma-se

Ninguém permanece igual.

E são as relações que nos revolucionam

Às vezes para melhor, e aí crescemos

Às vezes é ruim, só nos perdemos

Só não serve a solidão,

Precisa-se sempre de alguém

Que nos faz morrer, crescer, renascer

Renovando o ser.

Escândalo

 

0-escandalo criança maos rosto

E a capacidade de se escandalizar?

Onde está?

Perdida em profundas introspecções

efêmeras ilusões

de que somos nascente e poente

Na verdade, somos gente que mente

e jamais olha para o lado, noite e dia

que jamais pisou na periferia

preferindo estar no centro

geográfico, econômico, existencial

Considerando-se “normal”

até que a dor lhe aparece

mesmo se não apetece

E aprende-se chorar

sem ninguém para consolar

Descobrindo-se “mais um”,

Sentimento comum

como o mendigo, o viciado, desempregado

e retorna o cuidado,

de sempre se escandalizar.

Page 2 of 99

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén