Category: Introspecções (Page 3 of 59)

Dinâmica vital

butterfly

É interessante, com o passar dos anos, me dar conta do quanto os limites, meus e dos outros, podem se tornar empecilhos problemáticos nos desenvolvimento dos mais variados projetos.

Uma das coisas mais bonitas da vida é poder viver por Algo grande, que valha à pena investir nossas energias, sem nos perdermos em nossa pequenez e acreditando que existe uma realidade que transcende os nossos limites. Essa utopia serve de guia, de Luz, no percorrer cada etapa, ajudando-nos a escolher qual a estrada é melhor seguir, ou se é melhor “parar para descansar”.

Contudo, viver (ou caminhar) não é só um movimento exterior. Desenvolver-se e adaptar-se exige, sobretudo, uma dinâmica interior. Partindo de uma autoanalise, visando à autoconsciência, somos capazes de estarmos mais abertos aos novos contextos que, nem sempre por “gosto”, devemos vivenciar.

O problema é que nem sempre estamos dispostos a encarar, de maneira positiva, esses desafios impostos e, dessa forma, acabamos vítima e causa de sofrimento. Se não fazemos uso da sabedoria para aceitar o “novo”, perdemos a chance de recuperar aquilo que nos ajuda a viver melhor e reencontrar a beleza de buscar, constantemente, o significado último da nossa existência.

Adaptar-se ou morrer

corredores

Em situações de crise e escassez, vida é movimento. Esse conceito, originário do último filme que assisti (Guerra Mundial Z), exprime uma verdade importante e que me faz lembrar outro filme visto recentemente: Adaptation. As dinâmicas e evoluções da vida exigem um passo “no incerto”, no novo, que deve ser dado com cautela, mas é uma adaptação inevitável.

Ultimamente tenho pensado muito nisso, ancorado nos discursos do Papa Francisco, mais pela sua leitura “intuitiva”, que por motivos religiosos. O Papa, refletindo sobre a situação atual da Igreja Católica, fala da capacidade da Igreja de ir “contra a corrente” da ditadura tecnicista, que coloca a velocidade como medida fundamental no “acompanhar” os avanços sociais.

Acredito que a visão de Francisco é o ponto de equilíbrio e de cautela para que não sejamos tomados pela “ilusão do novo e do rápido”. Mas, por outro lado, não tem, em nenhum sentido, o objetivo de justificar o comodismo.

Adaptar-se aos “sinais dos tempos” é ter a coragem de ousar, de crescer, evoluir, sem simplesmente acreditar que o que já foi feito basta. Adaptar-se é continuar em movimento, é querer viver, pois, pelo contrário (e independentemente da vontade), se morre.

É interessante me dar conta do quanto essa capacidade vai diminuindo ao longo do tempo. A velhice nos faz buscar o “aconchego”, o seguro, o “cômodo”. É isso que nos leva à morte. Continuar “em movimento” exige do corpo, da alma e da mente um contínuo esforço que, contudo, nos faz (re)viver.

Morremos (não necessariamente de maneira literal) quando paramos, conservando o que já temos; quando enterramos a moeda que ganhamos, para não perdê-la; quando tememos as mudanças e não queremos nos adaptar. Porque “vida é movimento”.

Antídoto contra o mal

imgpress

A grande lição do final de semana que passou foi redescobrir a importância (para não dizer: necessidade) de alimentar-se de coisas boas. Um bom antídoto contra o mal.

Nos últimos meses, vendo (e vivendo) situações negativas, em diversos ambientes, comecei, em doses homeopáticas, a perder a esperança nas pessoas, no mundo e em Deus. O grande problema é que, essa falta de expectativa positiva, nos leva a aceitar o mal que “busca” se fazer presente; faz-nos aceitar comodamente os limites, nossos e alheios, como triste “condenação”. Esse “vitimismo” não é somente contra produtivo, mas auxilia a manutenção do “status quo”.

Procurar o bem, nos acontecimentos e relacionamentos, nos dá o fôlego suficiente para ultrapassar, no dia-a-dia, a linha tênue entre o “simples viver” para o “viver e fazer a diferença”.

Simplesmente viver, é aceitar, cotidianamente, que o pouco que fazemos é inútil à transformação da sociedade. É não ter a ilusão, romântica ou ideológica, de que as coisas mudam através dos pequenos atos. Essa concepção é tão racional, tem tanta lógica, que parece verdadeiramente definitiva.

Contudo, não são as revoluções exteriores que transformam definitivamente a nossa vida, mas as mudanças interiores, a capacidade de “ler” os acontecimentos de maneira diferente, visando um agir “novo”, que não muda (talvez) o mundo, mas o “revoluciona” sim, no pequeno.

Alimentar-se de coisas, relacionamentos e experiências boas nos tira do comodismo omisso e nos impulsiona a fazer a diferença na nossa e na vida que existe ao nosso redor.

Page 3 of 59

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén