Category: 29 dias no país do Tsunami (Page 1 of 15)

29 dias no país do Tsunami em cliques no FACEBOOK

DSCN2788

Na página “facebook” do escrevo Logo existo começa uma nova seção. Serão postadas, diariamente, fotos feitas  na minha viagem à Indonésia, em 2005, 6 meses após o Tsunami que devastou o sudoeste asiático.

A coletânea de fotos foi feita com uma câmera simples, compacta. Em cada clique, procurei registrar momentos, olhares, experiências, que até hoje aquecem o meu coração quando relembradas. (“recordar” é dar novamente ao coração).

Primeiramente pensei em apresentar a coleção de fotos em ordem cronológica, mas, pensando melhor, preferi respeitar o “Kairòs” (tempo certo) que ordena cada clique respeitando as lembranças ainda vivas no meu coração.

Espero que vocês gostem e partilhem!

29 dias no país do Tsunami – Parte40: Eu, 8 anos depois do Tsunami na Indonésia

Há quase oito anos eu estive na Indonésia 6 meses depois do trágico terremoto de 2004 e me dou conta de quanto ainda me arrepia lembrar de tudo aquilo que pude viver nas terras de um povo que ainda tentava cicatrizar as feridas que um desastre natural causa.

Tantas perguntas sem respostas, tantos porquês aclamados entre lágrimas de pais que perderam seus filhos, filhos que perderam toda a família, no sismo seguido de tsunami do oceano Indico. Antes daquele 26 de dezembro, provavelmente tantas famílias celebraram juntas seu último natal antes de serem engolidas pelas imensas ondas.

Contudo… a pergunta que me fiz ali, oito anos atrás, ainda ecoa internamente:

O que sobrou dentro de cada ser humano do planeta que foi informado dessa grande tragédia?

Mais de 230.000 vidas foram consumidas, mas o quanto refletimos como comunidade internacional sobre os nossos atos, sobre a nossa responsabilidade individual no impulsionar reações violentas da natureza?

Voltando para casa, depois dessa experiência inesquecível, permaneci em um silêncio interior de quase 2 meses.

Sentia uma grande dificuldade de me comunicar dentro de um ambiente consumista, individualista, de uma pobreza humana desesperadora. Queria voltar para a Indonésia.

Porém, encontrando um jovem franciscano da Toca de Assis, pude entender que os “meus pobres”, aqueles que eu deveria cuidar, dar de comer, lavar, não tinham necessidades materiais, mas espirituais. Essa pobreza, disse-me o jovem «toqueiro» “eu nunca poderei tentar curar”.

Aquelas palavras me trouxeram definitivamente ao jornalismo e ao desejo de tocar a humanidade das pessoas por meio da informação, para que os números exprimam a vida que se esconde por detrás deles…

Encontrar o sofrimento daquelas pessoas e a paradoxal dignidade, a vontade de viver, mesmo diante das adversidades, me serve ainda hoje como impulso a não me limitar as vicissitudes de uma vida medíocre, baseada em sonhos materiais. Já naquele momento, ser «fraterno» era antes de tudo procurar fazer da minha existência, dos meus talentos, serviço aos mais necessitados, de pão e de Deus.

29 dias no país do Tsunami – Parte 39 – De volta à Singapura

No nosso último dia antes de voltar para Europa acordamos ao meio dia e eu estava morto de cansado.

Enquanto esperava o almoço, comecei a organizar as fotos feitas quando estivemos na Indonésia.

Almoçamos e depois o meu amigo malaio Max com dois outros jovens vieram nos encontrar para irmos juntos passear no centro de Singapura, porque Eugenio queria comprar um cabo para a sua câmera digital.

Pegamos um ônibus e o metro do país, ambos incrivelmente modernos e limpos.

Ficamos aproximadamente três horas passeando e depois voltamos para o Focolare.

Mais tarde fomos à missa e em seguida comer a nossa última janta asiática que uma amiga dos focolarinos nos ofereceu.

Não foi fácil despedir-me de Ako, os jovens do Movimento, Francis e Biliang, que nos acolheram e acompanharam com tanta generosidade durante todo o período que estivemos no sudoeste asiático.

As 23h pegamos o avião em direção a Frankfurt… e se concluiu os nossos 28 dias no país do Tsunami.

Page 1 of 15

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén