Se apoderar do lugar de fala do outro não é só injusto, mas mentiroso”

Não me lembro bem ao certo onde ouvi essa poderosa citação, mas sei que ela mexeu muito comigo. Tenho visto nos últimos anos, tanto no micro quanto no macrocosmo em que vivo, um movimento de pessoas ditas “de bem” que têm sistematicamente se apoderado do”lugar de fala”de outras pessoas.

Grupos de incidência majoritariamente brancos, de perfil sócio- econômico privilegiado têm populado as arenas globais e outros espaços de expressão política com a intenção de “defender” os direitos dos excluídos. O que pode parecer um ato benévolo, na verdade reforça a desigualdade. A ocupação do lugar de fala alheio acaba calando ainda mais a voz dos oprimidos e delega aos cidadãos privilegiados o direito de expressão que gera somente pseudo-soluções.

Uma solução que eu considero legítima para enfrentar essa questão é a promoção da educação como ferramenta de empoderamento, juntamente como ampliação dos espaços de expressão para os “sem voz”.

Em vez de usar a nossa energia para levantar bandeiras que não são genuinamente nossas, deveríamos lutar para assegurar a inclusão dos que não são ouvidos. Sem a presença deles nos espaços de debate, de reflexão, em todas as esferas da sociedade, continuaremos a viver em uma pseudo democracia, iludindo-nos ao acreditar que as nossas boas intenções são suficientes na luta contra a desigualdade.

Related Post