Vivendo do outro lado do Atlântico me vejo muitas vezes com saudade de um abraço. Naquela que considero uma cultura do respeito – de gentilezas e de muros – os abraços estão limitados a parentes próximos e amizades de longa data.

Um abraço sempre foi para mim sinônimo de alegria e proximidade. Abraçando me exponho ao outro e partilho, gratuitamente, um pouco do “calor” que nos faz, todos, humanos, a despeito das diferentes proveniências e das ideias que defendemos.

O efeito da escassez de abraços me tornou mais sensível diante do ato de ver pessoas se abraçando. Por isso fiquei tocado ao ver a foto do abraço entre os ex-presidentes Lula e Fernando Henrique. Lendo as notícias relacionadas ao acontecimento, entendi que o mesmo abraço de conforto oferecido por FHC em consequência do iminente falecimento da esposa de Lula, Marisa Letícia, foi também oferecido pelo petista em 2008, quando a esposa de Fernando Henrique, Ruth Cardoso, havia falecido.

Afeto, respeito, gentileza são alguns dos gestos que precisam voltar a ganhar espaço em uma sociedade do embate. A humanidade precisa triunfar, independente da oposição de ideias ou escolhas. Não que isso atenue a busca pela justiça e a luta contra a impunidade. Entretanto, o amor e a fraternidade precisam conduzir todos os nossos atos.

Sinto falta cotidianamente de abraços. Fico triste ao ver a quantidade de pessoas, mesmo as ideologicamente próximas, gastando energia contribuindo para a construção de muros, promovendo as diferenças, enfatizando o negativo e condenando o erro alheio sem uma reflexão dos próprios atos.

Temos optado diariamente pela desumanização, pela divisão, abrindo mão de buscar aquilo que nos une. É uma escolha cotidiana e individual. Porém, não nos esqueçamos de que somos todos cúmplices das consequências globais dela.

Related Post