Month: January 2015 (Page 1 of 2)

verdade

A mídia é mentirosa? Jornalismo e a busca da verdade

verdade

Está lá no meu curriculum. É só entrar no Linkedin e conferir: “Jornalista profissional com mais de 8 anos de experiência”. Bom, mas o que isso significa? Esse tempo serve como atestado absoluto de credibilidade?

Não sei se já disse publicamente, mas escolhi estudar jornalismo por considerar a partilha um dos pilares da existência humana. No meu entendimento, partilhar é uma forma de comunicação interpessoal. Ela exige, indiscutivelmente, o envolvimento de dois ou mais sujeitos. O jornalismo, impulsionado pela ideia de uma comunicação “de massa”, nada mais é que uma partilha “em larga escala”. Com ele, comunicar torna-se o árduo ofício de identificar, na cotidianidade dos fatos, aspectos que nos ligam e nos fazem, em qualquer parte do planeta, iguais, “irmãos”.

Bonita essa explicação, não? Eu acho. Mais do que isso, eu acredito nesse “ideal”. Abstendo-se de promover esse encontro “ontológico”, o jornalismo não passa de um alto falante dos poderosos, que usam a mídia para promover interesses particulares.

A mídia: verdade ou mentira?

verdadeSempre me informei por meio da mídia em geral. Ultimamente tenho confiado um pouco mais em estudos de organizações internacionais, mas, no fundo, ninguém me garante que elas são 100% imparciais.

Então, para conhecer a verdade, é preciso observar os fatos com próprios olhos? Sim e não. Claro que a possibilidade de observar um fato “in loco” é uma riqueza e tanto, porém, duas pessoas que testemunham um mesmo fato podem tirar conclusões completamente antagônicas. Eu minha esposa experimentamos isso na nossa recente passagem pelo continente africano.

Mas, afinal de contas, é possível defender uma verdade “jornalística”? Existem informações absolutamente confiáveis? Difícil responder.

Acho que tudo passa pela identificação de padrões nas informações divulgadas. A imparcialidade defendida pelo jornalismo é um instrumento importante, pois tem como premissa o fato e não a sua interpretação. Porém, toda informação precisa nos levar a algum lugar. Os fatos precisam ser enriquecidos por outras informações e opiniões equilibradas que respeitem a complexidade dos mesmos.

Atenção ao equilíbrio!

Equilíbrio. Essa é a sensação que procuro experimentar ao “consumir” uma informação. Mesmo consciente de que o jornalismo, para simplificar, insiste no jogo maniqueísta.

Gosto de pensar na Verdade como um quebra-cabeças. Para chegar à ela é preciso considerar todas as vozes. Cada “peça” é fundamental para um resultado satisfatório. Contudo, para montá-lo são fundamentais a paciência, a atenção e o discernimento crítico das informações/peças que se tem em mãos. O resultado final, as sínteses, precisam, entretanto, serem universais.

Giuseppe Zanghì

Ao mestre Giuseppe Zanghì

Giuseppe Zanghì Giuseppe Zanghì

Encontrar Giuseppe Zanghì não foi uma experiência trivial. O homem cuja especialidade era transformar inspirações em teorias tinha mesmo uma luz diferente.

Sua presença expansiva transparecia, para mim, uma certa “impaciência”, perceptível em todos aqueles que vivem aqui, mas com a alma “là na frente”.

Uma lembrança de Giuseppe Zanghì

Uma vez, logo depois de uma conferência feita para os adolescentes dos Focolares em 2005, tive o privilégio de presenciar o encontro dele com dois  expectadores que, curiosos, queriam uma resposta as suas angústias em relação à vida.

“Entendo o que você esta querendo me perguntar, mas acho que é preciso que aprendamos a ir no mais profundo da nossa existência. Sabe aquele lugar, lá dentro de nós? Então, mais profundo ainda. Só assim podemos descobrir aonde estar a verdadeira felicidade”.

Não sei se essas foram as palavras literais de Zanghì, mas a tal “sede de profundidade” acabou me contagiando e acompanhando por muito tempo, até finalmente me levar ao Instituto Universitario Sophia. Lá, diante daquele audacioso projeto de “vida e estudo”, pude colher alguns dos incomensuráveis frutos da vida e das sínteses intelectuais desse grande mestre.

Giuseppe ZanghìCom 85 anos, Peppuccio – como era conhecido entre as pessoas do Focolares – se foi, deixando um patrimônio de leituras que aproximam “Céu” e “Terra”. Em mim, a gostosa lembrança de um “fratello” cheio de uma “santa” teimosia, alegria, além do sorriso de um verdadeiro “menino de Deus”.

tudo

Casamento: dividir tudo ou nada

tudo

No primeiro post de 2015 de “Amor binacional”, gostaria de acenar para um aspecto fundamental da vida à dois que as vezes é pouco valorizado: a partilha total da vida, com apelo particular à realidade econômica.

O título do texto denuncia uma dimensão um pouco assustadora do casamento, mas bem real: casar é dividir tudo ou nada! Para quem opta pelo “tudo” a vida fica mais complicada, mas igualmente desafiadora.

O meu, o dela, tudo agora é nosso

Eu e minha esposa estamos entre os casais que decidiram partilhar tudo. Passados os dois primeiros anos, percebemos como essa escolha acabou se tornando o fio condutor da nossa vida.

Vou exemplificar. Um dos maiores desafios que experimentamos recentemente como família binacional diz respeito à vida profissional. A decisão inevitável de viver em um dos dois países acabou me levando a abrir mão (voluntariamente) da rede de contatos profissionais que tinha no Brasil, para começar uma nova, aqui na Suíça. Agora, em outra nação, tenho vivido um árduo (mas riquíssimo) processo de adaptação ao mercado de trabalho, principalmente com o aprendizado de novas línguas.

Inicialmente, só minha esposa conseguiu um trabalho estável. Nesse contexto, como seria possível viver vidas economicamente distintas, se as entradas só chegam regularmente a um de nós? Partilhar tudo também permite que nos ajudemos, reciprocamente, a ter a paciência e a Fé necessárias para ir além das dificuldades normais de quem opta por uma dinâmica familiar com maior mobilidade. O esforço é importante, mas é interessante também se dar conta de que, muitas vezes, a própria conjuntura acaba nos ajudando a dar os passos necessários.

tudoInúmeros casais cometem o erro grave (ao meu ver) de não viver uma partilha total, principalmente economicamente. Muitos simplesmente continuam a vida de solteiro, com as próprias despesas e entradas individuais. Na maioria das vezes as despesas são divididas, mas sem um projeto comum, sem um planejamento familiar. Não acho errado que cada um tenha a própria conta bancária, mas acredito ser fundamental a consciência de que, quando se vive em família, não existe mais o “meu” ou o “seu”, mas tudo passa a ser “NOSSO”.

A partilha de tudo, especialmente da realidade econômica estimula o desejo de viver juntos os outros aspectos, sejam eles espirituais, humanos, produzindo efeitos colaterais surpreendentes até mesmo na vida íntima.

Neste mundo que insiste em promover o individualismo como única alternativa para à “auto-felicidade”, entregar-se, partilhar e confiar no outro pode até parecer loucura, mas é um desafio cotidiano que traz ótimos benefícios para qualidade da vida à dois.

Page 1 of 2

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén