última semana da Copa

A Copa, infelizmente, entra na sua última semana. Durante quase um mês vivenciamos momentos maravilhosos em que o esporte mais popular do planeta passou a fazer parte do nosso cotidiano, tantos nas conversas do dia-a-dia, como nos dias de jogo do Brasil ou de outras seleções que queríamos acompanhar.

Desta vez, particularmente, eu pude acompanhar quase tudo. Deixei de assistir umas cinco partidas, no máximo, deliciando-me como nunca desta Copa das Copas. Mesmo sofrendo, na maioria das vezes sozinho – como brasileiro -, tive a oportunidade de viver esse momento de maneira diferente, percebendo que a derrota, aqui na Suíça, não é, necessariamente, um drama na vida das pessoas.

Por exemplo, no último final de semana, o tenista suíço Roger Federer – idólo nacional – perdeu a final do torneio de Wimbledon para Novak Djokovic. Mesmo com a derrota, as pessoas e a imprensa não ficaram lamentando demais, dramatizando o ocorrido. Perder é uma realidade comum no esporte (e também na vida).

A última semana da Copa

Hoje, antes da sofrida semifinal contra a temida Alemanha, que a imprensa mundial considera definitivamente favorita, acordei ansioso. Não quero que a seleção perca agora, mesmo sabendo que talvez seja o momento da Copa em que essa possibilidade é mais real.

última semana da CopaPerdemos o Neymar de forma dramática e mesmo que ele não tenha rendido o esperado nos últimos dois jogos, a sua saída tira um pouco da alegria e da ousadia da Seleção. Também o nosso capitão Thiago Silva, por conta da sua atitude infantil – o que não foi acenado por ninguém -, não vai jogar, mas a seleção não é formada somente por 11 jogadores.

A seleção não é um clube de futebol que, por motivos econômicos ou de falta de planejamento, não tem recursos para ter um bom plantel, com reservas à altura dos titulares. Não! A seleção conta com os, supostamente, 23 melhores jogadores de futebol do país e, a nossa, especificamente, tem reservas que seriam titulares em qualquer outra seleção do mundo.

Dito isso, não vamos lamentar os desfalques como justificativa antecipada para uma possível derrota, mas acreditar que, mesmo sem o time ideal, temos outros jogadores bons o suficiente para nos levar à tão sonhada final. E se não tivermos, a grande culpada – na minha opinião – é a comissão técnica, incapaz de montar um time com peças de reposição que assegurem a qualidade esperada.

A grande Colômbia e David Luiz

Dois aspectos, estando deste lado do Atlântico, chamaram a minha atenção na semana passada.

O primeiro dele foi a boa partida que o Brasil fez contra os nossos vizinhos colombianos. A vontade de vencer, fundamental para quem quer ser campeão, pareceu ter voltado aos jogadores brasileiros. Mesmo exagerando nas faltas e sem o brilho que o mundo espera, a seleção foi eficiente, maravilhosa coletivamente. Do outro lado, tínhamos a seleção com o futebol mais bonito da Copa, com mais alegria e ousadia e que contava com aquele que será, talvez, o grande artilheiro da competição.

A segunda situação especial foi o testemunho de fair play do “cabeleira” David Luiz, que consolou o astro colombiano James Rodriguez, após a eliminação de seu País nas quartas de final da Copa do Mundo. Um jogador simples, alegre, bom de bola e, acima de tudo, ético.  “Temos que pensar sempre que (essa atitude) não é só exemplo para o futebol, é para a vida. Porque as crianças querem ter o cabelo como os nossos, as mesmas coisas. Temos que lembrar também que precisamos ser pessoas grandes, ser humanos grandes na vida”.

Sensacional!

[CLIQUE AQUI para mais Copa fora do Brasil]

Related Post