Suarez

Esta Copa fora do Brasil está sendo repleta de emoções e claro, zoação! Meus grandes amigos italianos, espanhóis, ingleses, portugueses e até croatas tiveram de aguentar minhas brincadeiras pela desclassificação das suas seleções.

Foi, sem dúvidas, um grande alivio o Brasil ter superado a primeira fase. Para quem assiste a Copa longe a derrota traz consequências duras, porque se está praticamente só para aguentar a “ressaca do perder”.

Até agora, os times das Américas têm mostrado força e competividade. Dos 16 times que irão disputar as oitavas de finais 8 são americanos, 6 são europeus e 2 são africanos. Uma soberania que impressiona, sobretudo com a queda de grandes seleções europeias.

Resumo da primeira fase

SuarezA vitória contra o fraco Camarões aumentou um pouco a minha esperança de uma vitória conquistada no gramado e sem ajudas externas. Só espero que a teimosia do Felipão não prejudique a nossa seleção. Paulinho, Daniel Alves e até mesmo Fred têm jogado muito abaixo do esperado. No banco de reservas temos excelente jogadores que podem substituí-los.

Para chegarmos até a semifinal, vamos jogar uma “mini Copa América”. Aguarda-nos, jogos aguerridos, de muita catimba, mas, ao menos , eu acredito, nenhum dos adversários terá a intenção de ficar na retranca.

Estou feliz pelo Brasil, mas a minha grande alegria nessa Copa, até o momento, foi a classificação da Suíça para as oitavas de finais. Claro que o grupo era fraco, que finalmente a Suíça tem um time “agressivo”, mas nem o suíço mais otimista acreditava piamente que seu país estaria entre as 16 melhores seleções do mundo. Porém, como o Brasil, a Suíça chegou lá. Com um futebol bom de se ver, com uma perigosa dupla de ataque e com a jovem estrela “made in Kosovo”, de 22 anos, Xherdan Shaqiri.

Enquanto a seleção brasileiral vai encarar o “freguês” Chile, à Suíça terá a missão de parar a Argentina de Messi. Em ambos o caso, derrota e vitória são possíveis, pois o futebol se joga dentro de campo, 11 contra 11.

Caso Suarez e a imprensa europeia

Aqui na Suíça, mas na Europa em geral, houve uma grande “polêmização” da “mordidinha no ombro” do astro Uruguai Suarez. O fato de ser uma atitude que se repetiu, pela terceira vez, fez a mídia europeia exigir, quase decretar, uma punição severa ao jogador sul-americano.

Suarez

A minha opinião, tentando ser o mais imparcial possível, admitindo ser um admirador da seleção Uruguai e de Suarez, é a seguinte:

Acho que existe, culturalmente, uma incapacidade intrínseca dos países “colonizadores” de aceitar suas fraquezas e a própria derrota. Ainda mais da maneira humilhante como foi até agora. Li coisas terríveis na mídia inglesa, tentando culpar o Brasil e os problemas organizacionais da Copa, pela derrota da sua seleção.

Dito isso, eu acredito que houve, sim, exagero em relação à punição estabelecida. Suarez talvez até tenha merecido uma punição dura, simbólica, porque as atitudes antiesportivas devem sim ser combatidas. Mas tudo isso, dentro de campo. Quem é a FIFA para proibir a entrada do cidadão uruguaio nos estádios de futebol? E o direito de ir e vir?

Não! A FIFA não deveria ter nem esse direito e, muito menos, esse poder. O “jogador” Suarez pode sim ser punido, mas não o ser “humano”. Seria a mesma coisa de impedir – por quatro meses – alguém que é demitido por justa causa, de trabalhar em qualquer outra empresa. Isso é um absurdo.

Acho triste ver que aqui na Europa existe uma unanimidade em relação ao que aconteceu. Mas parece que os europeus esquecem que, nas eliminatórias de 2010 a França se classificou com a ajuda da mão de Henry, filmada pelas câmeras de todo o mundo. Após o nominado “Incidente da Mão da Gália”, Henry foi punido? Não! Dois pesos, duas medidas.

[CLIQUE AQUI para mais Copa fora do Brasil]

RelatedPost