Patriotismo

AFP PHOTO / YURI CORTEZ

A pior coisa de vivenciar uma Copa fora do Brasil é ter de se contentar em, talvez, assistir os jogos da seleção sozinho, sem poder exprimir plenamente o próprio patriotismo esportivo. Como chegamos há pouco tempo em Genebra e aqui os jogos do Brasil são as 21h , muita gente prefere assistir às partidas em casa, para não perder valiosas horas de sono, fato que prejudicaria o trabalho no dia seguinte.

Contudo, uma coisa positiva é que, aqui no nosso bairro, aos poucos outras bandeiras começam a despontar nas janelas dos apartamentos, talvez estimuladas pela nossa decisão de torcermos “à brasileira”. O problema é que as duas maiores comunidades estrangeiras na cidade, os portugueses e os espanhóis, tiveram suas seleções massacradas em seus jogos, o que torna o patriotismo esportivo ainda mais difícil.

Passada quase uma semana de Copa, o tom das críticas em relação ao evento esportivo no Brasil diminui bastante por aqui. Na TV não se fala mais dos protestos e as pessoas comuns parecem ter começado a comentar os jogos. Enfim, a Copa do Mundo finalmente se tornou algo do cotidiano.

Patriotismo sufocado

patriotismoUma conversa com um amigo, também estrangeiro, que vive aqui em Genebra,  me fez refletir sobre as causas de não ver, nesta Copa em especial, tantas manifestações de patriotismo, como as bandeiras enfeitando casas e apartamentos de Genebra. Um fato considerável, mencionado por ele, é que aqui na Suíça, no último ano, foram votadas algumas medidas duras contra os estrangeiros, criando um certo impasse com a comunidade internacional e deixando os “não suíços” que vivem aqui em Genebra (que são um percentual muito alto) em uma situação desconfortável.

Eu acredito que isso possa sim “sufocar” o patriotismo – o orgulho de mostrar as próprias raízes, no caso aqui, estrangeiras. (Não que eu ache que patriotismo se resuma a pendurar uma bandeira na janela de casa, claro). Minha esposa, que é Suíça, diz que não.

Para resolver essa dúvida, talvez eu tenha que perguntar a outros estrangeiros, que vivem aqui há mais tempo, se essa “intuição” é, em parte, um pouco verdadeira. Eu, por exemplo, procuro naturalmente evitar “mostrar” que sou brasileiro (mesmo que fenotipicamente seja evidente). Não por vergonha, ou medo, mas porque, como estrangeiro, somos sempre vistos – em qualquer lugar – como “semi-cidadãos”.

Minha análise do jogo

Comecei a assistir ao jogo do Brasil sozinho, o que, devo dizer, não é uma das coisas mais divertidas. Como disse anteriormente, a Copa é uma oportunidade de encontrar amigos, se divertir e não se resume as partidas de futebol.

Dentro do campo, a seleção jogou mal. Não foi péssima, mas frustrou as (sempre enormes) expectativas. Fred, Paulinho e Daniel Alves deveriam esquentar o banco, porque parecem não terem chegado à Copa. Contudo, o destaque vai para o goleiro Ochoa que, literalmente, salvou a seleção mexicana.

Historicamente a seleção do México sempre foi uma pedra no sapato do Brasil. Sempre incomodou. Então, nada de surpresa! O que surpreendeu foi a apatia de alguns jogadores, provavelmente esquecidos de que, para ganhar a Copa, é preciso jogar (e de preferência bem).

Os dois jogos, muito fracos, da seleção na Copa tiram dela, absolutamente, o tal favoritismo. Alemanha e Holanda despontaram como os grandes protagonistas. Costa Rica e Suíça, as surpresas. Mas, como diz o poeta: futebol é estranho. E nem sempre quem joga melhor, tem o melhor time, levanta o caneco no final. Existem situações e interesses que vão além dos gramados.

[CLIQUE AQUI para mais Copa fora do Brasil]

RelatedPost