antropocentrismo

Para descobrir que grande parte das informações que recebemos hoje dos meios de comunicação de massa é “essencialmente superficial” não é necessário ser um especialista no assunto. A fábrica de noticias “fast food” que rodeia a sociedade contemporânea não tem vergonha de criar, constantemente, a ilusão de que, estando “conectados” ao mundo, sabemos o que está acontecendo nele.

Contudo, como explica repetidas vezes Dominique Wolton, produzir informação não é o mesmo que comunicar-se, pois, o quanto no primeiro basta um cérebro e a capacidade técnica, o outro exige “kenosis” (esvaziamento) para colher a Verdade (Alethèia) ou os fragmentos dela, que se manifesta no encontro verdadeiro entre pessoas e/ou acontecimentos.

Para Wolton “os jornalistas devem sair das News” para “buscar as chaves de compreensão dos acontecimentos, ou seja, encontrar a densidade da história por trás da força dos acontecimentos”. As dificuldades metodológicas dessa operação, em um contexto de produção que privilegia a velocidade, o “furo de reportagem”, são inúmeras.

A batalha por uma informação que comunique exige vencer inúmeras batalhas, por quem faz e quem recebe a notícia. No caso dos jornalistas, afirma Wolton, eles “têm a temível responsabilidade de informar, sem retomar sistematicamente o discurso dos atores políticos, mas também nem sempre tendo os meios para suas investigações”. Existe também o desafio de superar estereótipos, cliques e representações em que os intermediários do conhecimento “deformam muitas vezes a apreensão da realidade, e o trabalho do jornalista consiste, sobretudo, em desconstruí-los”.

No que diz respeito à sociedade, caberia, talvez, a ela exigir uma convenção internacional sobre a informação e a imagem que garantisse os direitos e deveres dos jornalistas, valorizando possivelmente a existência de códigos deontológicos comuns. “Tal convenção permitiria também definir as responsabilidade de cada um: jornalistas, editores, empresários, poder publico, políticos e etc. em um mercado da informação cada vez mais contraditório”, afirma Wolton.

Em ambos os casos é fundamental um retorno ao ser humano, na sua alteridade e ontológica “relacionalidade”. Quando se coloca o bem, individual e coletivo, dos sujeitos envolvidos no processo comunicacional, considerando-o elemento-chave da comunicação de massa, redimensionam-se todas as metodologias e as consequências em relação ao valor da informação são profundas.

Related Post