A segunda semana na minha terra natal foi marcada por reencontros maravilhosos, mais descanso e uma conversa decisiva. (Depois que a minha mala chegou de Milão a vida ficou menos complicada por aqui).

São Paulo propões inúmeras atividades, compromissos, mas é legal estar aqui sem ter preocupações que estejam além do objetivo de viver, sobretudo, com a minha família.

Porém é claro que, depois da primeira semana de “festa”, a vida em casa entra em uma normalidade gostosa, mas que abre portas para pequenos conflitos, diferenças, criadas pela distância e ausência anterior. (contornadas pelo desejo maior de estarmos “juntos”)

Um aposto interessante desses últimos dias foi assistir ao fabuloso filme “Kong Fu Panda 2” da Dreamworks no cinema. Excelente para quem quer relaxar, rir e se maravilhar com a indústria de filmes “infantis”, espaço de desenvolvimento estético e da criatividade, sobretudo no âmbito das animações 3D.

Porém, sem dúvidas, o momento mais especial desde a minha chegada no Brasil foi reencontrar os “pilares” da minha edificação como pessoa. Meus grandes amigos que durante mais de uma década estiveram comigo, acompanhando com amor e paciência, e que contribuíram diretamente no meu crescimento “centrípeto” e “centrífugo”.

Essa experiência com a Ká e o Bacanão, o Beiço e a Elaine, o Ferrr e a Marina, pareceu abrir meu coração de um modo novo, me ajudou a entender os caminhos propostos para um novo passo, uma nova fase da vida que está para se consolidar.

Dessa forma eu e a Flavia tivemos uma histórica conversa sobre o nosso futuro, construída com naturalidade e serenidade, mas que, pela prima vez, nos fez “ver” o que nos espera (alegrias e desafios) e o que queremos daqui pra frente. Bendito 9 de julho, um dia após celebrarmos nossos 17 meses juntos.

É gostoso demais estar em casa principalmente tendo a sensação de que realmente estivemos unidos, mesmo distantes fisicamente. Parece que estou aqui há meses e isso confirma para mim a importância ontológica de viver “juntos” cada coisa. De manter contato, enviando notícias, partilhando descobertas.

Não existe riqueza maior que Deus, que se manifesta cotidianamente nas nossas vidas através dos nossos relacionamentos. Mas o “drama” da liberdade nos permite viver com mais ou menos intensidade essa realidade.

RelatedPost