Day: October 9, 2007

Duemila e sei

Duemila e sei

Se non posso tornare indietro allora vado avanti…
Non c’è tempo da perdere perché il biglietto è solo d’andata.
Fai con che la vita sia un meraviglioso spettacolo!
Vedendo, scoprendo, amando ogni ostacolo.

Qualcosa mi spinge a credere,
che sono davvero predestinato alla felicità.
Usando dei mezzi ogni volta più efficaci
Mi sento far parte di un’altra realtà.

Vieni e mi aiuti,
non mi lasci da solo.
Non sono capace di cambiare il mondo,
se Tu non sei il primo e ciò che resta, secondo.

Ti aspetto soffrendo, ma dentro, contento.
E so che non vuoi un macello,
infatti è questo che di solito aspetto,
perché quello che più mi accorgo, davvero,
è che non si può tornare indietro.

Consumismo natalino

Consumismo natalino

Enquanto o Natal vem chegando, notícias que nos impulsionam a um consumo desenfreado começam a haver destaque em todos os espaços midiáticos. Empregos, lojas, promoções são elementos da aura do que se estabelece no período mais rentável do ano. Aonde queremos chegar ? Com o consumismo natalino, será que alguém realmente pensa no aniversariante do dia ?

O mundo atual, como disse um grande pensador do século XX, tem se tornado cada vez mais órfão de pai, pois as famílias destruídas perdem ou mesmo nunca tiveram a presença dele, desorientando os filhos.

Mesmo as descobertas científicas, o direito de explorar as potencialidades humanas, a ciência, vem colocando o indivíduo a mercê dessas descobertas. Assim o que se vê são as inúmeras cobaias das multinacionais farmacêuticas no continente africano. Esses avanços tecnológicos são tão sedutores e velozes, que majoritariamente a ética não consegue acompanhar, colocando toda a civilização diante de riscos praticamente irreversíveis. (está aí a necessidade estadunidense de manter sua emissão de gases para sustentar o próprio desenvolvimento industrial, que impulsiona ainda mais o consumo)

Por isso, diz a filósofa Maria Zambrano, esta é “uma das noites mais escuras que jamais vimos”. Porém, desta forma, evidencia-se como primeiro passo para uma reversão da situação, a necessidade de idéias fortes, de ideais que abram caminho para dar uma resposta convicta aos inúmeros e angustiantes questionamentos que possuímos.

Esses questionamentos não são “ventos de doutrina” como o Marxismo, o Liberalismo, ou mesmo a libertinagem, o individualismo radical e também o vago misticismo e etc. O relativismo que nos impulsiona a aceitar esses tais ventos, faz parecer que temos a necessidade de abraçar ilusões que tirem de nós a responsabilidade do protagonismo na mudança efetiva do mundo.

A partir dessa perspectiva é possível salvar os valores, continuar acreditando que um mundo melhor depende somente da nossa coragem e sobretudo da perseverança (e esperança) em acreditar que, uma mínima ação que seja, procurando preservar os nossos valores, é já uma ação concreta na construção de uma nova sociedade. Em vez de promover o consumismo no Natal, evidenciemos a importância da família para a nossa sociedade em crise.

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén