Breaking News
21 junho, 2015 - Refugiados e a questão da acolhida
22 abril, 2015 - The Mediterranean Sea: the biggest cemetery for refugees
6 abril, 2015 - Easter in memory of persecuted Christians
1 março, 2015 - Discreet happiness
17 fevereiro, 2015 - Filhos. Sim? Não? Porque?
30 janeiro, 2015 - A mídia é mentirosa? Jornalismo e a busca da verdade
24 janeiro, 2015 - Ao mestre Giuseppe Zanghì
23 janeiro, 2015 - Casamento: dividir tudo ou nada
21 janeiro, 2015 - Porque só o grito de Charlie foi ouvido?
25 dezembro, 2014 - O frio do Natal – reflexões em uma data reflexiva
2 dezembro, 2014 - Ferguson: um sinal de alerta à promoção negativa das diferenças
15 novembro, 2014 - Convivência negociada: eu e o outro no mundo
6 novembro, 2014 - O privilégio de partilhar a vida no casamento
30 outubro, 2014 - Medo do casamento: sentimento que engrandece a escolha
27 outubro, 2014 - Unidade indispensável: O que aprendemos com as eleições?
20 outubro, 2014 - O dogma da diferença e as eleições presidenciais
14 outubro, 2014 - Uma democracia adolescente? Reflexões sobre o segundo turno
11 outubro, 2014 - Ebola: ainda são só os africanos que estão morrendo
8 outubro, 2014 - Minimamente coerentes
1 outubro, 2014 - A irrelevância política do Brasil
26 setembro, 2014 - O que o Estado Islâmico tem a ver com o Brasil?
17 setembro, 2014 - Depois das faixas de ônibus, agora criminalizam as ciclovias
8 setembro, 2014 - Solitária existência (sobre o medo crônico de partilhar)
5 setembro, 2014 - Porque morar juntos só depois do casamento
26 agosto, 2014 - Ensino técnico: porque é importante valorizá-lo?
20 agosto, 2014 - Eduardo Campos e o ardor futebolístico das eleições
18 agosto, 2014 - Superare i pregiudizi: una sfida per chi accoglie e per chi è accolto
14 agosto, 2014 - Sentimentos de um servir no setor público
13 agosto, 2014 - Minorias mudas: um produto do jornalismo unidimensional
11 agosto, 2014 - Voto obrigatório: serve um instrumento se não se sabe usá-lo?
7 agosto, 2014 - É melhor ter filhos ou animais de estimação?
5 agosto, 2014 - Devaneios sobre o absurdo na Terra Santa
1 agosto, 2014 - 1º de agosto: A festa nacional de uma verdadeira Confederação
31 julho, 2014 - Renunciar não é perder: a multiplicidade da vida à dois
29 julho, 2014 - Eu e a política: o polêmico Silas Malafaia
27 julho, 2014 - Eu e a política: O que eu tenho a ver com isso?
25 julho, 2014 - Copa fora do Brasil: Decepção e a esperança de um futuro melhor
8 julho, 2014 - Copa fora do Brasil: A última semana da Copa das Copas
7 julho, 2014 - Levantar o olhar e observar ao seu redor │Rodrigo Delfim
3 julho, 2014 - Copa fora do Brasil: os sentimentos que o futebol promove
30 junho, 2014 - A preservação do património linguístico de Angola
27 junho, 2014 - Copa fora do Brasil: Brasil, Suíça e o polêmico caso Suarez
20 junho, 2014 - Oltrepassare la dogana e altre barriere culturale
19 junho, 2014 - Porque me casei? Refletindo uma escolha para vida toda
18 junho, 2014 - Copa fora do Brasil: Patriotismo sufocado e seleção decepcionante
17 junho, 2014 - O jantar e suas histórias │Natália Zen
16 junho, 2014 - Copa fora do Brasil: A emoção de torcer pela Suíça
13 junho, 2014 - Copa fora do Brasil: Com sofrimento sim, mas sem a ajuda do juiz!
11 junho, 2014 - Copa fora do Brasil: será que o pessoal vai mesmo assistir?
6 junho, 2014 - Sour Cristina e o testemunho de uma Igreja que quer se renovar
5 junho, 2014 - Paternidade na família binacional: um desafio que exige unidade
3 junho, 2014 - Holocausto Brasileiro: a certeza de que somos todos loucos
1 junho, 2014 - Genève: 200 années à la Confédération helvétique
29 maio, 2014 - Carreira profissional: desafios e sacrifícios da família binacional
21 maio, 2014 - Acreditar, rezar e amar: quando Deus ajuda a família
20 maio, 2014 - Oltre l’Atlantico: un brasiliano in più immigrato in Europa
16 maio, 2014 - Que país (e que povo) é esse? – por Valter Hugo Muniz
12 maio, 2014 - Multiculturalismo: desafios de uma formação que enriqueça o jornalista
8 maio, 2014 - Conceito de família: o Amor, a comunidade e as diferenças
6 maio, 2014 - Pequena chama em Mussulo│Ivete Maria
5 maio, 2014 - Água: conservá-la hoje para garantir o futuro│Rodrigo Delfim
2 maio, 2014 - Palavras │Valter Hugo Muniz
1 maio, 2014 - Mudanças: montanha russa cultural, saudades e novos desafios
30 abril, 2014 - Pequenas gentilezas podem transformar – Karina Gonçalves
29 abril, 2014 - Os caminhos de Mandela: testemunho de liderança, de perdão e de amor
28 abril, 2014 - Racismo, medo e a reação inesperada de Daniel Alves
18 abril, 2014 - Beijo
16 abril, 2014 - Santo e homem. João Paulo II nos relatos de um homem comum
15 abril, 2014 - Na Suíça, sou suíço? Os primeiros passos de uma jornada de inculturação
18 março, 2014 - Brasileiro, europeu e, agora, africano | Valter Hugo Muniz
11 março, 2014 - Um mês saboreando um pouco da cultura africana da Costa do Marfim
7 março, 2014 - Candongueiro: cruzando a África por blogs e livros – Rodrigo Delfim
4 março, 2014 - Man e as cores escondidas nas nuvens da rotina
26 fevereiro, 2014 - África em meio a tantas Áfricas | Valter Hugo Muniz
19 fevereiro, 2014 - Envelhecer: perdas e lamentações, novos encontros e alegrias
17 fevereiro, 2014 - “Relacionalismo social”: a vida no interior de uma das tantas Áfricas
7 fevereiro, 2014 - Lágrimas que dobram esquinas – Rodrigo Delfim
4 fevereiro, 2014 - Juntos rumo à África: um sonho pessoal, familiar e comunitário
29 janeiro, 2014 - Angola: Um rico fragmento de África
24 janeiro, 2014 - Incluir plenamente: férias, cotidiano, reflexão e alegria | Karina Gonçalves
22 janeiro, 2014 - Casar é ser livre e feliz: reflexões sobre a liberdade na vida à dois
21 janeiro, 2014 - Arte coletiva: contando muitas histórias juntos | Rafael Volpe
17 janeiro, 2014 - Segunda temporada de Newsroom: continuando a desvendar o telejornal
14 janeiro, 2014 - Vencer: um sentimento que nos une | Valter Hugo Muniz
13 janeiro, 2014 - Viajar: percorrer, peregrinar, sonhar, desvairar |Ana Elisa Bersani
9 janeiro, 2014 - Desumanização dos direitos: o escandaloso caso de Pedrinhas
8 janeiro, 2014 - 2013: descobrindo um Brasil que agora é nosso | Valter Hugo Muniz
7 janeiro, 2014 - Povo brasileiro e a descoberta do que é melhor para todos
6 janeiro, 2014 - Hospital: um local de vida, cura e morte | Rodrigo Delfim
3 janeiro, 2014 - 2014: Um ano que promete para todos nós
30 dezembro, 2013 - Estou no Facebook, logo existo | Mariana Assis
25 dezembro, 2013 - Um Arsenal de Esperança e Solidariedade para o Natal | Rodrigo Delfim
24 dezembro, 2013 - Renascer com o Natal
19 dezembro, 2013 - Reis à procura do Rei | Pensando como festejar o Natal
18 dezembro, 2013 - Bodas de papel: a importância de uma família voltada para os outros
17 dezembro, 2013 - Leis justas não esquecem os seres humanos
16 dezembro, 2013 - Ideologia técnica: superá-la por uma verdadeira comunicação
13 dezembro, 2013 - Minimalista: uma vida que vale mais, com menos coisas | Mariana Assis
12 dezembro, 2013 - Inspiração: um exercício inconsciente em busca do outro | Rafael Volpe
11 dezembro, 2013 - Mobilidade urbana: valorizar o bem comum para diminuir a desigualdade

Por que namorar?

23 Flares 23 Flares ×

Por que namorar

Saí do banho pensando se as pessoas realmente se perguntam o por que namorar, antes de começar um relacionamento desse gênero, ou simplesmente começam o namoro e vêem no que vai dar, depois.

Na semana passada, ouvi de uma amiga, lamentos “tenebrosos” sobre o seu namoro. Que estava ligeiramente arrependida por não corresponder as suas expectativas e ser algo demasiadamente empenhativo. Dizia que não precisava namorar para beijar alguém, estar juntos… e que namorando se privava de “ficar” com outras pessoas, de fazer o que quisesse sendo, no seu conceito, livre!

O modo como ela falava do seu namorado, com certo tom de escárnio me fez sentir mal, por me imaginar no lugar do garoto e um dia saber que a minha namorada estivesse dizendo aquelas coisas ao meu respeito à pessoas que nem sequer me conhecem.

Perguntei então a ela porque havia começado aquela experiência, se ficou claro que desde o início ela não estava disposta a viver o namoro com seriedade. O fato de ela não saber o que me responder me fez pensar o porquê namorar, porque eu comecei a viver uma experiência desse tipo.

Pensando na minha experiência, concluí que tudo gira em torno da exigência de construir a minha vida com alguém, dividir tudo, crescer junto. Sempre achei que assim a vida pareceria mais emocionante, verdadeira.

Por isso comecei a namorar, pra viver com ela e por ela e, logo pude descobrir a fantástica capacidade que possuímos de gerar felicidade, o quanto é bom fazer coisas aparentemente simples, dar uma flor, ligar (mesmo sem vontade), dar um abraço e receber em troca um sorriso.

Desde o início, até o fim, vivi, descobri e redescobri o quanto é gostoso estar com alguém e compartilhar as nossas vidas.

Namorar não é um contrato que assinamos com alguém que estará disponível 24 horas por dia para satisfazer nossas carências. É um pacto de amor recíproco, de estar pronto a amar, ao ponto de “dar a vida” (muitas vezes perdendo vontades) pelo outro.

Desse modo, acredito que seria mais raro encontrar pessoas arrependidas com uma experiência tão realizadora. Qualquer objetivo nobre nesse caso, qualquer escolha pessoal, é pessoal. O que nos faz estar com alguém é, essencialmente, a vontade de construir a vida juntos. E PONTO.

23 Flares Twitter 0 Facebook 23 Google+ 0 Email -- 23 Flares ×

About author

Valter Hugo Muniz

Valter Hugo Muniz - Formado em Comunicação Social com ênfase em jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica de SP (PUC-SP) em 2009, concluiu em 2012 a “laurea magistrale” em Ciências Políticas no Instituto Universitário Sophia, na Itália. Com experiência em agências de comunicação, multinacionais, editoras e televisão é, atualmente, consultor de comunicação na ONG Arigatou International, em Genebra, Suíça. Com vivência de mais de cinco anos na Europa (Itália e Suíça), participou de trabalhos voluntários em São Paulo e na Indonésia pós Tsunami (2005), além de uma breve estadia na Costa do Marfim (2014). É fundador do escrevoLogoexisto.

Related Articles

No Comments

  1. Gi Godoi 27 agosto, 2007 at 10:36

    Simplesmente isso.
    Muito, muito bom. Amei!!!

  2. Ellen Hunt 31 outubro, 2007 at 05:14

    Simples assim!!! =)

  3. eberson 2 agosto, 2009 at 22:16

    e muito simples falar tudo isso ,,,eu msm sou assim falow pros meus colegas tudo isso

    mais o dificil e largar tudo de vezz….

  4. Willian 6 dezembro, 2010 at 10:20

    Nunca namorei na vida !

  5. juliana martins 15 maio, 2011 at 07:38

    pq simples? nada é simples, so que algumas pessoas notam a dificuldade, outras n…
    cara, quanto mais leio sobre isso mais tenho certeza… isso n é pra mim!!!

  6. Adorei,cara. 16 maio, 2011 at 22:29

    Cara amei o comentario,veio mesmo no momento.

  7. Vitor 20 maio, 2011 at 16:44

    Não se vive sem aprender, crescer. Viver implica movimento. Se o movimento é em direção ao que é verdadeiramente Bom, dizemos que temos uma boa vida, estamos bem de vida… Crescendo e sendo mais maduros, próximos a harmonia universal, que chamamos de Deus inúmeras vezes. No relacionamento com alguém eu quero exatamente continuar o meu Bom movimento, ser impulsionado para Ele, estar Nele a maioria do tempo, cada vez mais e ressoando com isso pelo mundo. Um Amor só Amor se leva para o Amor maior: Deus, harmoniza universal que a tudo considera.

  8. mynicknameizmayu 24 maio, 2012 at 07:30

    Muitas vezes é complicado explicarmos o porque de começarmos a namorar alguém já que sentimentos muitas vezes parecem irracionais. Nesses últimos dias andei pensando no “relacionamento complicado” que ando vivendo, e a pessoa me perguntou porquê eu queria namorá-la e no momento as palavras não surgiam. Confesso que, mesmo que patético, achei no seu blog uma explicação plausível aos meus sentimentos. Muito obrigada!

Deixe uma resposta

23 Flares Twitter 0 Facebook 23 Google+ 0 Email -- 23 Flares ×
%d blogueiros gostam disto: